Conto: A Velha dos Gatos

Compartilhar:

Dona Clarice tinha um filho e uma filha. Ambos moravam fora do País. Com apenas onze anos de casamento, seu marido a deixou e ela terminou de criar os filhos sozinha. Não foi uma vida fácil: trabalhava como bibliotecária durante o dia, enquanto os filhos estavam na escola ou na creche, depois enfrentava outro turno em casa com as crianças e as tarefas domésticas. Nunca teve condições de planejar uma viagem ou qualquer tipo de refúgio para escapar daquela vida. Sua válvula de escape eram os gatos. Ela tinha apenas dois quando seu marido foi embora. Em apenas seis meses, já tinha nove gatos morando com ela e com as crianças, que passaram a amar os bichos.

Sua aposentadoria mal dava para arcar com suas despesas de farmácia e alimentação, mas com um aperto aqui e ali e uma eventual ajuda dos filhos, ela conseguia se manter, bem como com seus quinze companheiros felinos. Se contássemos os que já morreram, ela chegou a ter mais de vinte gatos no total. Era uma quantidade bastante alta para uma senhora sozinha e sem muito dinheiro. Mas eles eram a alegria da vida dela. Chamava cada um pelo nome, sabia as idiossincrasias de todos eles. Discernia até entre os que tinham a mesma cor e aparência quase iguais. Seus filhos sabiam que não adiantaria tentar retirar um ou mais de seus amigos de quatro patas, isso só faria a pobre mulher ficar deprimida e se sentir inútil.

Um dia, Clarice sentiu uma forte dor no tórax. Apressou-se para colocar o máximo de ração que pôde nos potes, além de abrir e despejar todos os sachês pelo chão da casa. Ela pegou um copo de água e sentou-se no sofá. Pensou que tinha sido uma boa mãe, apesar das dificuldades. Agora, tudo o que lhe preocupava era o futuro dos seus gatinhos. Ao contrário do que muita gente pensa, seus felinos domésticos não devoraram o corpo de Clarice alguns dias após a sua morte, mesmo com muita fome. No quinto dia, os vizinhos chamaram a polícia, que descobriu o corpo da pobre mulher caído no sofá e em avançado estado de decomposição.

Uma ONG que já tinha ouvido falar da mulher e seus quinze gatos foi até o local para recolher os felinos, assim não precisariam ir ao controle de zoonoses da cidade. Alguns conseguiram um novo lar, inclusive com funcionários da ONG; outros viveram o resto de suas vidas no abrigo. Os filhos de dona Clarice agora imaginam que, sabendo que eles estão bem e os gatos também, o espírito da mãe pode descansar em paz.

Imagem: Designed by Natkacheva / Freepik